Dicas de Chiang Rai na Tailândia: o que fazer Compartilhe:

Dicas de Chiang Rai na Tailândia: o que fazer

Compartilhe:
Índice:

    Dicas de Chiang Rai na Tailândia: o que fazer –

    Para quem nunca ouviu falar em Chiang Rai, essa pequena cidade fica no norte da Tailândia, numa região conhecida como Triângulo Dourado, onde o Myanmar, o Laos e a Tailândia se encontram com o Rio Mekong. Foi um dos locais mais populares do mundo pelo comércio do ópio, base para a produção de heroína. As suas antigas plantações de papoula foram substituídas por café, ervas medicinais, frutas, etc.. Na região, o que sobrou desse comércio ilegal foi apenas a história, contada no incrível Museu do Ópio de Chiang Rai. 

    Vejam que linda imagem do Buda, às margens do rio Mekong, protegendo o Triângulo Dourado.

    (Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Abaixo, uma pedra que ilustra esse Triângulo Dourado.

    Tailandia Chiang Rai Four Seasons 1 (1)(Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Para chegar lá, fiz uma viagem de carro de Chiang Mai até Chiang Rai, que durou aproximadamente 5 horas. O caminho possui algumas belas paisagens, com muitos campos de arroz, mas o ponto alto do passeio  é mesmo conhecer o Templo Branco, Wat Rong Khun, a apenas 5 quilômetros de Chiang Rai.

    Idealizado por um dos mais renomados artistas da Tailândia, Chalermchai Kositpipat, como símbolo da pureza do Buda, foi construído inteiro na cor branca, com milhares de pedaços de espelho formando mosaicos, que brilham com o reflexo do sol. Uma imagem espetacular. Na área ao redor do Templo, tudo é branco… estátuas, pontes, flores…e até as carpas do lago. Impressiona!

    Tailandia Chiang Rai 4(Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Tailandia Chiang Rai 3(Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Tailandia Chiang Rai 1(Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Tailandia Chiang Rai 2(Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Tailandia Chiang Rai 8(Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

    Simplesmente um dos templos mais lindos que já conheci na vida!

    Interessantíssima também foi a visita ao Museu do Ópio, considerado um dos mais importantes centros no mundo de pesquisa e informações sobre o ópio, drogas derivadas e outros narcóticos. Recomendo de verdade! Incrível as apresentações sobre o comércio ilegal, os efeitos colaterais nos usuários de heroína, a Guerra do Ópio, a reprodução dos antigos fumódromos da droga, e muito mais. Vejam essa foto do boneco simulando um usuário de heroína, com seu travesseiro de pedra ou porcelana. Uma grande aula que ficará guardada na minha memória para sempre.

    (Dicas de Chiang Mai na Tailândia)

    Para poder curtir essa região com calma, optamos por nos hospedar num hotel de super luxo na selva de Chiang Rai, onde além de sair para fazer os passeios acima descritos, ainda convivemos com elefantes e aprendemos a comandá-los sozinhos. Saiba tudo sobre essa experiência no post:

    Four Seasons Tented Camp Tailândia: luxo na selva

    (Dicas de Chiang Rai na Tailândia)

     

     

     

    Compartilhe:
    Tags:
    Priscila Reis

    Baiana, viajante profissional e advogada na área de direito digital, fundou o site #voali depois de muitas andanças pelo mundo, aliado ao seu interesse por tecnologias da internet. Prefere voltar a um lugar amado mil vezes do que conhecer mil lugares.

    3 Comentários
    • Pingback:O templo Branco – Wat At Rong Khun – Chiang Rai – Tailandia | Px blog
      Posted at 00:24h, 17 julho Responder

      […] vo ali – o que fazer em chiang rai […]

    • Silvana Martins
      Posted at 03:31h, 08 maio Responder

      Priscila, adorei suas dicas. Como você foi de Bangkok para Chiang Rai?
      Você conhece alguma agencia de viagem que faça este roteiro pois no caminho tem muitos locais que eu gostaria de ver Ayuthaya, khampeang, Sukhoyhau, Lampang. Eu não quero alugar carro, prefiro não dirigir quero uma agencia de viagem. Obrigada. Silvana

      • Priscila Reis
        Posted at 20:37h, 10 maio Responder

        Silvana,
        Faz tempo que fiz essa viagem, e na época, a agência contratou uma operadora local, mas não lembro o nome.
        Desculpa por não poder ajudar!
        abraços
        Priscila

    Deixe seu comentário